7 de março de 2012

O HOMEM O MAR E OS SONHOS


Um dia, em frente ao mar, estava envolvida nas minhas análises e cogitações sobre a posição do homem diante da vida, quando me deparei observando as diferentes reações dos banhistas. Notei que alguns paravam para admirar a beleza do mar, mas não se arriscavam a entrar e enfrentar os segredos escondidos em suas águas. Outros não resistiam aos encantos; porém, o medo os impedia de mergulhar, só entravam pela metade. Havia também um grupo de pessoas que mergulhavam destemidamente e reapareciam longe, tomavam fôlego e voltavam a submergir em busca do desconhecido, do fascinante.

Na vida não é diferente. Existe o homem que vive à sombra de dúvidas e temores. Ele teme o que não compreende em vez de admitir suas próprias fraquezas e buscar mudanças. Coloca-se sempre em posição de vítima da vida sendo ele o próprio culpado por seus fracassos. Ama o belo, almeja a felicidade, mas não tem coragem de arriscar um mergulho, nem ao menos a entrar na água. Não vive; sobrevive.

Há também quem vive sua vida pela metade. Sonha, ama, deseja, mas nunca de corpo e alma. Esconde-se na delicada capa do bom-senso, atitude que, na verdade, denominamos MEDO. Medo de se aventurar pelo diferente e pelo desconhecido; medo de viver por inteiro. Quem entra no mar e não mergulha volta pra casa sem saber o que poderia ter desvendado; quem vive pela metade não sabe o que é viver de verdade.

O homem que mergulha de cabeça na vida é chamado de insensato e louco. Não importa os conselhos que recebe; ele não avalia os prejuízos e arrisca, apenas segue a voz do coração e se joga por inteiro. Às vezes, por mergulhar de olhos fechados, ele se desvia da sua trajetória e erra, retorna machucado, analisa onde errou, mas não desiste de buscar a felicidade. Ele não mede esforços para realizar seus sonhos e alcançar seus objetivos. Mergulha novamente, contudo, dessa vez mais experiente e consciente, de olhos bem abertos. Quando se cansa e perde o fôlego, descansa, recobra as energias e está pronto para recomeçar quantas vezes for necessário até que sua determinação o leve às águas calmas da realização e da satisfação pessoal.

Qual a sua posição diante da vida? Não transforme seus medos em covardia. Não há idade para recomeçar. Viva sem desistir da vida e aproveite cada segundo da sua existência para se fazer feliz: afinal, os sonhos só morrem no túmulo!

Janaína da Cunha
22/08/2009

4 comentários:

luiz carlos disse...

No decorrer vesperal de maõs dadas a nostalgias retorno aqui e contemplo estes tinidos belos e fortes de poesia,poesias sentidas
fortemente na alma,estimada poeta
sempre com as palavras cintilantes cheias de cores e sensações.
Profundamente vislumbro com imenso deslumbre pouso sempre meu olhar marinheiro nestas palavras sempre belas,oras de uma selvageria delirante que encanta,arrepia.
Um grande e forte abração no seu coração iluminado grande poeta

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia!
...talento vem do berço, mesmo!
...acreditar sempre nos sonhos!
Boa semana
Abraços

Janaína da Cunha disse...

Querido amigo e companheiro de versos, Luiz Carlos, obrigada pela sua presença e por suas palavras incentivadoras. Seus comentários sensíveis e recheados de versos acabam me inspirando mais e mais e mais...
Um grande beijo em seu coração lindo!

Janaína da Cunha disse...

Felisberto, agradeço muito seu carinho e suas palavras acolhedoras! Seja sempre bem vindo, meu amigo poeta.
Muita poesia em sua vida!
Abraços!